Alertas
1.864 Imóveis
Terça, 05 Julho 2022
Procurar Imóvel
Férias AlgarveÁrea de Clientes
Para venda Lote com 1056878m2 Vale da Rosa São Sebastião Setúbal
28.900.000€
thumbPara venda Lote com 1056878m2 Vale da Rosa São Sebastião Setúbal
0
t1t2t3t4REF AV-PBI-12511.056.878m²Venda conjunta de 84 imóveis (lotes de terreno) distribuído por 3 operações urbanísticas (PIP) aprovadas pelo valor de 28.900.000€, com Área Bruta de Construção de 239.840m², dos quais 189.489m² para habitação. Classe Energética: Isento Setúbal nasceu do rio e do mar. Os registos de ocupação humana no território do concelho remontam à pré-história, tendo sido recolhidos, em vários locais, numerosos vestígios desde o Neolítico. Foi visitada por fenícios, gregos e cartagineses, que vinham à Ibéria em procura do sal e do estanho, nomeadamente a Alcácer do Sal, povoação até à qual o rio era então navegável. Durante a ocupação romana, Setúbal experimentou um enorme desenvolvimento. Os romanos instalaram na povoação fábricas de salga de peixe e fornos para cerâmica, que igualmente desenvolveram. A queda do império romano, as invasões bárbaras e a constante pirataria de cabotagem causaram a estagnação, senão mesmo o desaparecimento, da povoação entre os séculos VI e XII. Nomeadamente neste último século, não existem quaisquer registos da povoação, 'entalada' entre a Palmela cristã e a Alcácer do Sal árabe. No século que se seguiu, a realeza e a nobreza de então fixaram residência sazonal em Setúbal. A época dos descobrimentos e conquistas em África trouxe a Setúbal um grande desenvolvimento, tendo D. Afonso V e o seu exército, em 1458, partido do porto de Setúbal à conquista de Alcácer Ceguer. Ao longo do século XV, a vila desenvolveu diversas atividades económicas, ligadas sobretudo à indústria naval e ao comércio marítimo, tirando rendimentos elevados com os direitos cobrados pela entrada no porto. É dos finais do século XV, princípios do XVI, período de franco desenvolvimento nacional, que data a construção do Convento de Jesus e da sua igreja, fundado por Justa Rodrigues Pereira para albergar a ordem franciscana feminina de Santa Clara, sendo, muito provavelmente, obra arquitetónica do Mestre Diogo Baitaca, o mesmo que se ocupou do Mosteiro dos Jerónimos.
« Anterior1Seguinte »
Condições Gerais | Cookies | Política de Privacidade | Resolução Alternativa de Litígios
Copyright 2005-2022 © GTSoftLab Inc. All rights reserved. (0,084)
Powered by
GTSoftLab